O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

   










Leucemias na Infância

Maria Lydia Mello de Andréa

As leucemias na infância são responsáveis por praticamente 50% das neoplasias entre zero e 18 anos. A medula óssea é o local onde são produzidas as células do sangue. A leucemia é uma doença da medula óssea. Por motivos ainda não totalmente esclarecidos, uma criança para de produzir as células normais do sangue, passando a produzir apenas células jovens, denominados blastos leucêmicos. Os blastos passam a substituir as células normais do sangue – glóbulos brancos ou leucócitos, glóbulos vermelhos e plaquetas - gerando os distúrbios próprios da falta destes elementos o que caracteriza a leucemia: anemia, infecções e sangramentos.
Existem diferentes tipos de leucemias que variam conforme a célula de origem. As leucemias agudas são em número as principais leucemias na infância. São responsáveis por 95% das mesmas sendo as leucemias crônicas extremamente raras na faixa etária pediátrica. Dentre as leucemias agudas a mais frequente é a Leucemia linfóide responsável por aproximadamente 90% das leucemias agudas, sendo as mielóides responsáveis por apenas 10%. O diagnóstico da leucemia é feito através da punção da medula óssea com material enviado para o mielograma – análise morfológica das células, Imunofenotipagem capaz de classificar os blastos leucêmicos através da determinação dos diferentes anticorpos monoclonais que caracterizam as células e ainda envio de material para cariótipo e biologia molecular que nos mostram as possíveis alterações no cromossoma da célula podendo nos dar informações prognosticas e até orientações terapêuticas. Não se concebe na atualidade o tratamento de uma leucemia sem este conjunto de dados que nos orientam quanto à escolha dos medicamentos e quanto ao prognóstico. A principal forma de tratamento é a quimioterapia. O tratamento na maioria das vezes é de dois anos e compreende diferentes fases como Indução da remissão nos primeiros 30 dias, Consolidação, Profilaxia do Sistema Nervoso Central, Re-indução e Manutenção. Com diagnóstico preciso e tratamento adaptado ao tipo de leucemia e seu grupo de risco as leucemias linfóides agudas atingem hoje altos índices de cura que variam entre 70 a 90%. Em relação às leucemias mielóides os resultados são menos promissores e atingem hoje em centro especializados aproximadamente 50 a 60% de cura.