O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

   










INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO


Dra Natália Andréia da Cruz
Equipe de Nefrologia Pediátrica do HEDV


A infecção do trato urinário é a patologia nefrológica mais comum na infância e caracteriza-se por crescimento de microorganismos, principalmente bactérias em qualquer parte das vias urinárias.
Nas crianças com febre, sem causa aparente, a infecção urinária pede ser encontrada num percentual de 7 a 8%. Excetuando-se o período neonatal, a contaminação por via ascendente do aparelho urinário, por agentes microbianos da flora intestinal, constitui o mecanismo patogenético mais freqüente de infecção urinária. Nos primeiros 6 meses de vida, a ITU ocorre mais nos meninos devido ao maior número de malformações congênitas do trato urinário. Depois do primeiro ano de vida, o predomínio da ITU ocorre nas meninas, com incidência ao redor de 8%.


Tanto nos meninos como nas meninas, o agente mais comum é a Eschrichia coli, bactéria da flora intestinal, responsável por 80% a 95% dos casos de Infecção Urinária. Outras bactérias como Proteus, Estafilococos e Klbsiela também podem estar presentes e agentes como fungos e vírus, principalmente o Adenovírus não devem ser esquecidos. Podemos classificar a infecção urinária em Cistite, quando acometemos a bexiga, trato urinário baixo e geralmente não temos a presença de febre e alterações hematológicas e Pielonefrite, quando o paciente apresenta sintomas sistêmicos, com febre e acometimento do parênquima renal.


Quanto menor a idade do paciente, mais difícil reconhecer os sintomas, pois estes são inespecíficos como febre e dor abdominal, dificuldade para se alimentar, baixo ganho de peso. Uma maior pode apresentar dor em baixo-ventre ou abdominal, polciúria (urinar a todo instante, com ou sem dor, em pequena quantidade, às vezes só alguns pingos), dor nas costas, dificuldade em segurar a urina, molhando a roupa, e a urina pode ter mal cheiro ou parecer turva.
Um dos obstáculos ao diagnóstico de ITU é o método de coleta de urina, pois muitas vezes o paciente não tem controle esfinoteriano e precisamos lançar mão de métodos invasivos como a punção supra-pública ou a sondagem uretra. A seleção de um método inadequado de coleta de urina pode conduzir ao falso-diagnóstico de ITU e consequentemente a administração inadequada de antibióticos e exames de imagem dispensáveis.


O tratamento da ITU deve ser iniciado o mais precocemente possível e sempre após coleta de urina para urocultura. O seu objetivo é controlar e aliviar sintomas, evitar o aparecimento de cicatrizes e erradicar o agente do trato urinário. O tratamento é inicialmente instituído de forma empírica e logo que possível ajustado de acordo com a cultura de urina. O antibiótico a escolher deverá ser aquele que atue sobre as estirpes mais frequntemente infectantes do trato urinário e que com uma posologia cômoda e menos efeitos colaterais assegure uma boa concentração na urina e no sangue, e não origine facilmente o aparecimento de cepas bacterianas resistentes.


A indicação de internação deverá ser feita para aqueles pacientes que apresentarem comprometimento do estado geral, principalmente os de faixa etária menor que dois anos. Além do tratamento por antibióticos, a ingestão de líquidos deve ser abundante, e a avaliação do padrão de eliminações como evacuação de micção deve ser feito visando a correção de eventuais distúrbios, que possam comprometer a evolução terapêutica.


O foco de atenção no cuidado da criança com ITU tem sido não somente relacionado ao diagnóstico e tratamento precoces do episódio infeccioso, como também à minimização do dano renal crônico e suas conseqüências clínicas. A escolha da abordagem da faixa etária de dois meses a dois anos de idade, como sugerem a maior parte dos protocolos acadêmicos, tem como justificativa a freqüência de infecção urinária nesta faixa etária, o desenvolvimento potencial de problemas clínicos a longo prazo neste pacientes, como hipertensão arterial e déficit funcional renal, e a dificuldade diagnóstica apresentada, tanto do ponto de vista de apresentação clínica como de obtenção de amostra urinária para diagnóstico. Após o tratamento do quadro agudo de ITU, inicia-se a investigação por imagem e anamnese detalhada de malformações anatômicas ou funcionais associadas. Recomenda-se o uso de quimioprofilaxia com sulfametoxazol-trimetoprim ou nitrofurantoína ou cefalexina nos lactentes, após o tratamento da ITU para prevenção de nova infecção até a conclusão da propedêutica.


Embora não haja consenso em relação à investigação mais apropriada para a criança com ITU, o objetivo do diagnóstico por imagem é identificar precocemente os pacientes com risco de desenvolverem cicatriz renal, especialmente neonatos e lactentes após a primeira ITU, com diagnóstico pré-natal de hidronefrose ou irmãos de pacientes com RVU. O ultra-som renal (USR) e da bexiga é o primeiro exame a ser solicitado e detecta anomalias estruturais. A cintilografia renal estática – Tc99 m DMSA deve ser realizada após os quadros de pielonefrite, para avaliação de cicatrizes renais e para se nortear o seguimento clínico e o restante da investigação por imagem. A uretrocistografia miccional deve ser indicada para aqueles casos onde se suspeita de refluxo vesico ureteral ou disfunções da bexiga. Os demais exames de imagem deverão ser indicados em casos especiais e não de rotina. A manutenção da profilaxia só esta indicada nos casos de risco, onde as malformações urológicas estejam presentes ou naqueles casos de recidiva precoce da infecção ou síndrome de eliminações. O seguimento deve focar na prevenção de novos episódios, portanto sugere-se a coleta fequente de uroculturas de controle e mapeamento de complicações como perda da função renal e hipertensão arterial.


Na presença de anomalias estruturais a criança deve  ser encaminhada para o nefrologista/urologista pediátrico. No nosso hospital contamos com um ambulatório específico para os pacientes com Infecção Urinária, com atendimento Nefro-Urológico abordando todos estes aspectos discutidos neste texto.